Bons Exemplos




No fim de semana passado fui convidada para participar numa conferência/evento em Idanha-a-Nova, o I-Danha Food Lab.
Já acontece há 4 anos, para mim foi o primeiro.
Passei o fim‑de‑semana de boca aberta, de espanto, sim, que comida não faltou.
Foram uns dias a falar de agricultura (sim, que agricultura também pode ser um tema empolgante), de alimentação, de "coisas do bem".
Não é o evento em si que me faz escrever este texto, mas sim o que fui encontrar em Idanha-a-Nova.
Já tinha estado por aqueles lados mais de uma vez. Monsanto, Proença a Velha, Penha Garcia, Monfortinho, o parque natural do Tejo Internacional ... mas sempre com olhos de quem está de férias.
Desta vez tive oportunidade de ficar a conhecer melhor o concelho e de descobrir o seu Presidente.
UAU!! só vos digo!! Fossem todos os autarcas, politicos, gente com pouco ou muito poder assim e o nosso país seria outro, não fiquei com dúvidas sobre isso.
A tentação de deixar cair o "-a-nova" durante a escrita é grande, mas não o posso fazer porque Idanha é o que é porque é -a-nova. Espiritos novos em terras antigas. Inovação em locais com muita história. O enorme prazer de encontrar, a subir a rua em plena aldeia de Monsanto, uma senhora apoiada num cajado e, em 3 minutos aprender com ela, como se deve tratar a azeitona para a conservar durante o ano, e isto acontece quando vou a caminho de um "Food Lab" onde se está a falar de tecnologia.
Quando o novo se apoia no antigo duplica o valor.
Idanha-a-nova é um concelho com 8000 habitantes.
Sim mesmo, é isso que leu, 8000 habitantes.
E fica no fim do mundo. Sei que insistem em dizer que estão muito bem localizados (à mesma distancia de Lisboa, Porto e Madrid....), mas sinceramente acho que estão mesmo longe de tudo, o que torna ainda mais fantástico o que se faz por lá.
Um Presidente de 8000 portugueses,  que decide arregaçar as mangas e criar condições para reverter o ciclo da desertificação em todos os sentidos. Que acredita que não existem karmas maus, que acha que menos pode ser o princípio de mais....
E porque, para mim é talvez o mais espantoso, resolveu fazer de Idanha-a-Nova uma Bio Região.
Podia estar aqui a falar sobre o Armindo Jacinto muito mais tempo, sobre a paixão com que fala da sua região, mas o que realmente me espantou foi a visão deste homem. Como consegue, tão bem, descortinar o futuro.
O futuro a Deus pertence mas o Armindo Jacinto sabe ler muito bem as linhas escritas por Deus.
Podia ser o seu slogan sr. Presidente! :-) Foi um prazer!

Sem comentários

Enviar um comentário

© A vida de uma alface
Design:Maira Gall.